Eu não lembro a primeira pessoa que me decepcionou, também não lembro qual foi a situação ou como a superei. Talvez eu não lembre porque a vida me ensinou que guardar mágoas das pessoas só vai fazer mal a mim mesma e eu aprendi que o perdão é necessário, não apenas para a pessoa que o receba, mas principalmente para a pessoa que o dá. Quando a gente perdoa, ficamos em paz, e aquilo que nos machucava já não tem mais importância. Mas nem sempre é fácil perdoar, às vezes demora para que a gente consiga superar o mal que nos fizeram.





Eu sei que sou uma pessoa difícil, eu demoro para confiar, demoro para mostrar quem eu realmente sou, e isso se deve ao fato de já ter sido magoada tantas e tantas vezes. Trago marcas em mim de todas as feridas que ainda não cicatrizaram. Não lembro exatamente como adquiri cada uma delas, mas todas fazem parte de quem eu sou atualmente.
Quando gostamos de alguém, damos poder para essa pessoa, deixamos nosso coração em suas mãos e não podemos adivinhar de que forma ela vai lidar com essa responsabilidade. Ela pode cuidar do nosso coração ou pode tentar quebrá-lo, depende de cada um. E nem sempre acertamos as pessoas que merecem nosso amor e dedicação. As pessoas que mais gostamos são aquelas que mais têm poder sobre nós. E se elas nos machucam, intencionalmente ou não, a dor será insuportável.
Eu não lembro a primeira pessoa que me decepcionou, mas me lembro da última. Lembro da minha incredulidade em aceitar que isso estava realmente acontecendo, até porque não foi a primeira vez que essa pessoa me decepcionou, algo assim já havia acontecido antes e eu a havia perdoado e deixado que ela continuasse na minha vida. O que me leva a pensar: Será que foi erro meu deixar que ela continuasse próxima de mim? Será que vale a pena deixar alguém que já errou uma vez, permanecer na minha vida?
Eu acredito que todos merecem uma segunda chance, mas “terceiras chances” não é algo que faça parte do meu cotidiano, por isso, nesse momento é mais difícil perdoar, e a dor é ainda maior.
Eu me lembro da última conversa e das desculpas vazias. Esse alguém admitiu seus próprios erros, mas não teve capacidade de tentar consertá-los. E isso me deixa confusa, me deixa sem conseguir entender o que está acontecendo.
Eu fiz minha parte, tentei entender, tentei dar uma chance para que a pessoa pudesse se explicar e ela não a aproveitou. Agora é o momento de seguir em frente, sem olhar para trás. Minha consideração e meu carinho por ela continuarão sendo os mesmos, porque o sentimento é verdadeiro, mas acredito que a amizade que existia entre nós se encerrou no momento em que ela resolveu agir dessa forma. E eu preciso aceitar a escolha que ela fez e deixá-la ir, deixá-la livre para também seguir seu caminho.
A dor ainda está presente, a ferida ainda está aberta e nenhum remédio consegue curá-la. A mágoa é tamanha que, nesse momento, não há a possibilidade de perdão. Eu espero um dia conseguir perdoar, espero que chegue um momento em que essa situação não me atinja e não tenha importância pra mim.
Eu espero...

4 Comentários

  1. Ninguém trai, a não ser a si mesmo.
    GK

    ResponderExcluir
  2. Eu realmente odeio esse poder que as pessoas assumem sobre nós. Odeio aceitar o fato de que mais alguém, além de mim, consegue controlar meu humor como se eu fosse um fantoche qualquer. Gostei bastante do texto. Abraço, Lena!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente assustador o quanto algumas pessoas podem ter poder sobre nós, e normalmente esse poder somos nós quem damos para elas. Mas eu aprendi que quando alguém me decepciona, conseguir perdoá-la faz com que ela não tenha mais poder sobre mim e eu posso seguir em frente, de forma tranquila e em paz.

      Excluir